segunda-feira, 15 de abril de 2019

A caminho ... do Caminho

De Vale de Espinho a Santiago … pelo Caminho das Estrelas (Preâmbulo)

Com o "Caminho da Aventura", em Julho de 2014, os Caminhos de Santiago e de Fátima, os Caminhos Peregrinos ... entraram na minha Vida pela porta grande.
"Sexan cales foren as túas crenzas, o Camiño é unha experiencia única que vas vivir en corpo e alma. Unha viaxe espiritual que te leva ao encontro coa natureza, cos outros e, sobre todo, contigo mesmo."
Mal tinha regressado ... e o meu imaginário já estava a delinear aquele que seria o meu Caminho em 2015, a solo: partiria da "minha" Vale de Espinho, indo ao encontro do Caminho de Torres e do Caminho Português do Interior. Mas, em Fevereiro de 2015 ... morreu a miña nai ... e eu virei o ponto de partida para as areias de Santa Cruz ... num caminho que o destino não transformou em Caminho.
Brincando aos deuses nos Montes de Testeiro,
no "Caminho da Aventura", 11.Jul.2014
Santa Cruz, à partida para o
"Caminho das Cinzas", 15.Abr.2015
Em terras de Ourém, o Universo fez-me interromper esse Caminho ... ou terá sido a minha Mãe a dizer-me que não era a altura ... que eu não iria estar só nos meus Caminhos? Em Setembro desse mesmo ano, um dia, acordado ... eu tive um sonho! E como em cada Sonho há um Caminho ... em Abril de 2016 percorri mais de 900 km no Caminho Francês. Um ano depois ... os Caminhos do Salvador e Primitivo ... e em 2018 o Caminho Central Português, a partir de Fátima / Ourém ... completando o Caminho interrompido em 2015. E a minha Mãe tinha razão: nos meus Caminhos ... nunca estive só.
No cume de O Cebreiro, Caminho Francês, 19.Maio.2016
Cruz de San Salvador, Caminho do Salvador, 8.Maio.2017
Entre o Céu e a Terra, na Ruta de los hospitales,
Caminho Primitivo, 14.Maio.2017
Cruz dos Franceses, Serra da Labruja,
Caminho Central Português, 11.Maio.2018
Se no "Caminho da Aventura" tinha feito irmãos ... em todos os Caminhos de Santiago que se lhe seguiram estive sempre acompanhado, total ou parcialmente, pelos meus manos Paula e Zé Manel ... hermanos de corazón, como nos apresentamos nos Albergues ... que também fazem a história dos nossos Caminhos. Com a minha mana Paula ... terminámos sempre nos Camiños da fín da terra...
Nossa Senhora da Barca, Muxía, 28.Maio.2016 ... nos Camiños da fín da Terra ... lá, onde o Sol se põe
Não há descrição possível para o turbilhão de emoções que se sentem e partilham num Caminho de Santiago. Quem volta não é o mesmo que quem parte ... e eu volto e voltarei sempre para o amor que me agarda, para o meu ninho, para a minha estrela, que ainda não se achou com forças e motivação para se fazer ao Caminho; talvez um dia ... quem sabe...
O Caminho não é o chão que pisas ... o Caminho és Tu mesmo!
("Entre o Silêncio das Pedras", Luís Ferreira)
O Caminho vive-se e sente-se, partilha-se, não se descreve. O Caminho ... é acreditar na realização dos Sonhos ... é dar um passo de cada vez ... é encontrar os limites e superá-los. O Caminho é dormir em qualquer lugar, comer o que está na mesa, ver a Natureza com outros olhos ... o Caminho é encher os olhos de lágrimas sempre que se ouve falar dele.
Praza do Obradoiro, 22.Maio.2017
10 pessoas ... 7 nacionalidades ... unidas pelas Estrelas...!
O Caminho é Amor! Amar as estrelas, as montanhas, as nuvens, a chuva, o Sol, a água dos rios. O Caminho são as saudades que se tem da família, mas o Caminho também é Amar os Amigos ... conhecendo-nos e Amando-nos a nós próprios. O Caminho é Viver as emoções e as sensações de um convívio 24 horas por dia ... sensibilidades tantas vezes à flor da pele. O Caminho é fazer amizades com outros que, como nós, têm unha estrela por guia! Nas nossas memórias hão-de permanecer sempre o Vinicius, a Letícia, a Esther, o Michael, o Steve e a Anne, o Albert, o Joseph, a Stephanie e o John, o Paco, a Rosa e, claro, o Pedro ... e tantos outros. Particularmente o Caminho Primitivo, para nós ... também foi um Caminho de Afectos! Dos oito minutos que mediaram entre a Praza de Cervantes e o Obradoiro, em 2017 ... não há fotos, não há vídeos, não há descrição possível. Há a memória de muita emoção, a memória de 10 pessoas de mão dada, descendo a Rua da Acibechería e a Praza da Imaculada, passando o arco sob a ala esquerda da Catedral, onde se ouvia como sempre o som da gaita galega ... e entrando na mágica Praça do Obradoiro ... de mãos dadas, cantando, saltando, chorando e rindo ... vivendo aqueles minutos, aqueles momentos ... como se não houvesse amanhã ... intensamente ... num êxtase de Felicidade ... num êxtase de Amor! Amor pela Vida! O Caminho ... é amar a Vida!
Preparando o Caminho...
No "ninho", 15 de Abril
Por tudo isto e muito mais, com a Irmã a quem o Universo ligou os meus Caminhos, estou de novo ... a caminho do Caminho. Publico este preâmbulo no dia do 4º aniversário da minha partida das areias de Santa Cruz para o Caminho ... que viria a retomar em Ourém em 2018. No próximo dia 25 de Abril, eu e a Paula partiremos ... de Vale de Espinho. Foram meses de preparação, informações, Sonhos ... é o retomar do meu projecto inicial de 2015 ... antes do tenebroso mês de Fevereiro: ir ao encontro do Caminho de Torres e do Caminho Português do Interior. Entretanto, da Guarda a Trancoso também já é Caminho de Santiago, a Via Portugal Nascente. E o nosso Caminho 2019 foi-se concebendo e construindo ... para Viver dentro de dias, passo a passo ... dia a dia!
Se o Caminho de 2018 o dediquei à minha Mãe, este Caminho de 2019 vou dedicá-lo, naturalmente, àquele que repousa na sua e "minha" aldeia natal, Vale de Espinho ... àquele cuja filha mais velha, há quase meio século, se viria a sentar comigo nos bancos da velha Faculdade de Ciências de Lisboa ... e a construir a Vida comigo. Se existe algo para além da Vida terrena ... o meu querido Zé Malhadas, ou Zé Malhadinhas, como lá o tratavam, vai-nos acompanhar, a mim e à minha Irmã do coração, de Vale de Espinho às terras do Douro, de Chaves, de Ourense, até Santiago ... e às "terras do fim do mundo".
Tal como dois pequenos seixos de Santa Cruz jazem em Fisterra e em Muxía ... também um pedacinho de terra beirã, da terra de Vale de Espinho ... irá misturar-se com as águas que lavam os rochedos mágicos da Virgem da Barca.
Comigo vai também a vieira e a cabaça que todos os dias, nos Caminhos, passo da mochila para a cabeceira da minha cama. O urso do jovem "casal sexagenário" à direita ... esse sou eu 😋; e esse fica cá, com a minha pequena estrela; ela ... a ursa ... ela vai comigo ... e é lá, nos Caminhos ... a minha pequena estrela! Mas comigo viajam também 7 outros objectos que, tal como estes, não são objectos. São símbolos, são ícones de uma ligação. Sem eles ... não me sinto eu. Os que estão representados sabem quem são ... foram eles que mos deram. Só a imagem de Nossa Senhora de Fátima ... essa foi-me dada pela minha Mãe há muitos anos, com o intuito de me acompanhar e proteger nas minhas aventuras ... por fragas e pragas...! Um outro ícone, símbolo de um Amor fraternal e de dois Caminhos que o Universo ligou, anda permanentemente comigo ... e esse até já "viveu" um dos muitos mistérios do Caminho...
Ao Caminho, ao Amor e à Vida! Ultreïa!

You don’t choose a life ... you live one

5 comentários:

Raul Branco disse...

Que reportagem! E que,comovente prosa! Que mais esta aventura, decorra como desejas! Um abraço

Filomena Velho da Costa disse...

Boa viagem, Callixto. Um beijo grande!

Paula Francisco disse...

Uma escrita com emoção e sentimento. Beijinhos

António Mousinho disse...

Mais um caminho, entre caminhos, porque, certamente, outros se seguirão!
Cá estaremos, a acompanhar e a torcer, etapa a etapa, para que Santiago te guie.

O Caminheiro disse...

Este grande caminheiro tem já por diversas vezes "entrado em minha casa", local onde é sempre bem vindo.

De peregrino para peregrino, Bom caminho...
SI