segunda-feira, 7 de maio de 2018

Das terras de Ourém às terras do fim do mundo (1)


Caminho Português de Santiago ... ou a concretização de um caminho que o destino não tinha transformado em Caminho...

Em Abril de 2015, após dois meses de fragas difíceis de ultrapassar, comecei na Praia de Santa Cruz aquele que teria sido o meu segundo Caminho de Santiago. Mas as forças do Universo, o destino, ou o que se lhe queira chamar, fizeram-me interromper em terras de Ourém. Nos dois anos seguintes, contudo ... percorri mais de um milhar e meio de quilómetros no Caminho Francês, nos Caminhos do Salvador e Primitivo, nos Camiños da Fín da Terra...! Percorri-os com amigos, maioritariamente com os meus manos Paula e Zé Manel ... hermanos de corazón, como nos apresentamos por vezes nos Albergues. Mas, como então escrevi, o "Caminho das Cinzas" não tinha acabado; não era um Adeus ... era só um Até Breve! E como "no canto de cada Sonho nasce a Vontade" ... no canto dos meus Sonhos ficou sempre a Vontade de voltar a Ourém, para concretizar o Caminho interrompido.
Assim, a 29 de Abril, ao volante do seu velho Corsa, o meu pai levou-me a Fátima ... onde há 3 anos me tinha visto partir para um Caminho que duraria apenas mais um dia. Os meus manos Paula e Zé Manel já tinham começado, dois dias antes, em Santarém. A Paula tinha começado o seu Sonho: fazer um Caminho de Santiago desde a porta de casa! Com eles, estava também o nosso amigo Pedro, Barrilero de apelido ... filho das terras de Castilla La Mancha;
Fátima, 29.04.2018, 8h15
nos trilhos ao Encontro de Santiago, tínhamo-lo conhecido há um ano, no Caminho Primitivo. Estava reunida a equipa, o quarteto que se reunira para nos lançarmos ao Caminho. O meu Caminho, contudo, na realidade só começaria 11 km depois, em Ourém; era em Ourém que o tinha interrompido ... e em Ourém se daria aliás o primeiro "mistério" do Caminho.
1) De Ourém à Cidade Invicta
       Porto, 7 de Maio
Passava das onze da manhã daquele dia 29 de Abril quando entrámos em Ourém. A minha Credencial para este Caminho de Santiago era a iniciada em Santa Cruz três anos antes ...
Igreja de Nª Srª da Piedade, Ourém
29.04.2018, 13h10
pelo que o meu primeiro carimbo gostava que fosse o da Paróquia de Nossa Senhora da Piedade ... a Igreja que em 2015 ouviu o meu lamento, pelo Caminho então interrompido. Uma conversa prévia com o Pároco de Ourém tinha-me informado que a missa se celebrava às 11h30, pelo que a certificação da passagem, na Credencial, teria de ser antes ou depois. Sem que nada tivéssemos programado nesse sentido ... chegámos às 11h30 em ponto ... e na Igreja de Nossa Senhora da Piedade assisti à primeira missa deste Caminho de Santiago. Mistérios do Caminho...
A maioria dos Peregrinos que percorrem o Caminho Central Português para Santiago, fazem-no a partir do Porto, de Ponte de Lima, ou de Valença. Entre Lisboa e Porto vêem-se bem menos Peregrinos ... e a maioria dos poucos que se vêem são estrangeiros. Por outro lado, Fátima e Ourém não fazem parte do traçado principal do Caminho Português, que segue por Tomar rumo a Ansião, destino da segunda etapa do meu Caminho (quarta etapa para a Paula, Zé Manel e Pedro). A minha primeira noite do Caminho 2018 ... foi no Pavilhão Desportivo de Caxarias, onde também dormiram largas dezenas de Peregrino(a)s a Caminho de Fátima. Houve quem dormisse em cima da mesa ... e no dia seguinte houve gargalhadas que só se contam em privado... 😊

Rio Nabão,
30.04.2018
Estes primeiros dias de Caminho alternaram entre alguns aguaceiros e algum Sol. A travessia do Nabão foi um tanto ou quanto épica ... para além da muita lama que as recentes chuvas deixaram.

Lama, a quanto obrigas... 😜
... mas belas paisagens, ribeirinhas do Nabão
Um almoço num belo recanto do Nabão
À saída de Albarrol, muito próximo de Ansião, o último dia de Abril terminou ... em Casa do Steve e da Rosa. Ela filipina e ele inglês, ali se fixaram com os filhos e abriram um Albergue original e muito rústico, em regime de donativo (incluindo o jantar, com eles); fomos os únicos hóspedes naquela noite ... em que alguém queimou um soutien e umas meias na salamandra... 😛

Casa do Steve e da Rosa, um original Albergue
em Albarrol (Ansião), 30.04.2018
As duas etapas seguintes levaram-nos do Nabão ao Mondego. Já no traçado principal do Caminho Central Português, começávamos a constatar a excelente marcação do mesmo, seguindo as setas amarelas e, no sentido contrário, as setas azuis para Fátima. Por terras de Alvorge e do Rabaçal, o Caminho ruma a Conímbriga e a Condeixa, maioritariamente por belos trilhos e caminhos rurais ... com a meteorologia a ajudar-nos desde o primeiro dia de Maio.

O Nabão na Ponte da Cal,
Ansião, 01.05.2018, 7h50
Por terras de Alvorge e do Rabaçal, rumo a Conímbriga
Ponte Filipina sobre o Rio dos Mouros, Fonte Coberta, Zambujal
O primeiro dia de Maio terminou no Albergue de Conímbriga. No dia seguinte, 18 km separavam-nos de Coimbra, entrando por Santa Clara. Mas a equipa ia reduzir-se a três; embora já estivesse previsto, foi com pena que nos despedimos do mano Zé Manel, que tinha de regressar à base.

Aqueduto de Santa Clara, quando nos aproximamos de Coimbra, 02.05.2018, 11h40

Entramos em Coimbra: Mosteiro de
Santa Clara a Nova, 02.05.2018, 12h15
Coimbra, do Mosteiro de Santa Clara, 02.05.2018, 12h25
Coimbra é sempre Coimbra. Por isso havíamos programado esta etapa, curta, optando pelo Hostel "Sé Velha", central, o que nos permitiu deambular pela cidade dos estudantes. O Caminho também é feito disto. Uma tarde em Coimbra e reduzidos a três, percorremos as velhas ruas da velha cidade, da Sé Velha à Igreja de Santiago, à Igreja de Santa Cruz ... e às tasquinhas; descobrimos a Taberna da Ti Ermelinda, um verdadeiro poço de histórias. No dia seguinte ... seguiríamos rumo a norte!

Coimbra, Sé Velha, 02.05.2018
Igreja de Santiago, Coimbra
Igreja de Santa Cruz, Coimbra
Uma ginginha na "Muralhada" ...
... e uns petiscos na "Ti Ermelinda"
Escadarias da Sé Velha, Coimbra, 03.05.2018 ... 6h30 da manhã...
E como Coimbra é sempre Coimbra ... às seis e meia da manhã já havia estudantes na escadaria da Sé Velha. Ali haviam passado a noite ... tomando lugar para a serenata monumental ... que teria lugar na noite seguinte! Coimbra é, sem dúvida, uma lição de sonho e tradição! Mas nós ... tínhamos pela frente cinco etapas até ao Porto, que se revelariam menos interessantes do que as anteriores.

Uma verdade indiscutível...
Igreja de Santiago de Trouxemil ➤
Depois de Coimbra passámos a ver mais Peregrinos ... de várias nacionalidades ... e de vários "estilos". Aproximando-se o 13 de Maio, víamos cada vez mais grupos a caminho de Fátima ... mas víamo-los sempre ao longo das estradas principais, ignorando a excelente marcação existente. Apesar destas etapas terem demasiado alcatrão, decorrem maioritariamente por estradas secundárias, bem assinaladas com as habituais setas amarelas e azuis. Porquê seguir estradas com muito mais trânsito, muito mais ruído, muito menos propícias à reflexão e introspecção? A organização destas Peregrinações a Fátima revela um espectáculo degradante e assustador. Em Oliveira de Azeméis assistiríamos mesmo a episódios bizarros...
No Albergue de Peregrinos da Mealhada (Sernadelo), 03.05.2018
Rumo à luz! 04.05.2018, 6h55 - Por vezes, no Caminho, só se ouve o silêncio dos nossos passos...
Pouco antes de Anadia, ao meu sexto dia ... completei dois mil quilómetros nos Caminhos de Santiago. Parafraseando a minha Mana Paula, para mim o Caminho não são contudo os km, são as vivências, os sentimentos, as desilusões, as aprendizagens ... todo um turbilhão de emoções! Naquele dia, por exemplo ... atravessámos Anadia sem um único Café aberto ... que só viemos a encontrar 13 km depois, em Avelãs do Caminho. Nos anos anteriores habituámo-nos a ver os Cafés abertos entre as 6 e as 7h...
Caves S. João, S. João da Azenha, 04.05.2018, 10h00: Bom Caminho...
Aquela sexta feira, 4 de Maio, estava reservada para ser um dia de emoções fortes. Algo trazido pelo vento escolheu como alvo o olho esquerdo da Paula, obrigando a uma pequena intervenção no Hospital de Águeda, felizmente sem consequências de maior. Ao jantar, contudo ... foi recompensada pela grata surpresa de ver chegar mais um membro para o nosso grupo de Peregrinos! O Luís, que tem no seu palmarés muitos milhares de quilómetros nos Caminhos de Santiago, juntou-se a nós para o fim de semana, até Grijó. A Paula não se conformava; afinal todos sabiam menos ela; até a hospitaleira do Albergue sabia!... 😊

Entramos em Águeda, 04.05.2018, 12h40 ...
Albergue de Santo António, Águeda, 05.05.2018, 6h30 ... e voltáramos a ser 4!
Rio Marnel, Lamas do Vouga, 05.05.2018, 7h55
Antiga Ponte de Lameiro, sobre o Vouga, entre Lamas e Macinhata do Vouga
Vidas e botas que fazem o Caminho...
Ultrapassadas as Albergarias (a Velha e a Nova), o rumo era agora Oliveira de Azeméis, numa tarde quente e com bastante alcatrão a percorrer. Um tanque para refrescar - ainda por cima com a garantia de alguns autóctones de que a água era óptima - caiu-nos do céu como graça.

Relax refrescante e renovador, pouco antes de Pinheiro da Bemposta 😉
Estação de comboio de Pinheiro da Bemposta
Igreja Matriz de Oliveira de Azeméis
E ... o nosso "Albergue" em Oliveira de Azeméis
Peregrinos para Fátima ... sempre ao
longo das estradas nacionais...
Pois ... nos Bombeiros de Oliveira de Azeméis, além de nós 4 havia largas dezenas de Peregrinos para Fátima. O staff de apoio estava estacionado à porta: carrinhas com fogareiros para cozinhar ... e para o transporte das muitas malas com que estes Peregrinos se fazem "acompanhar". Peregrinação ... ou negócio? No dia seguinte, antes das seis da manhã, ouvimos uma "trovoada" brutal dentro das instalações dos Bombeiros. Eram ... Peregrinos a arrastar malas de rodas escadas abaixo, degrau após degrau! Entidades e Associações que implementam este tipo de organização ... impõe-se um repensar! Todos os anos há Peregrinos atropelados nas estradas ... fora dos percursos marcados ... dando esta e outras imagens degradantes. Felizmente existem honrosas excepções: connosco partilharam dormida duas Peregrinas que se encontravam a Caminho de Fátima ... mas pelo Caminho assinalado pelas setas, sem carros de pseudo-apoio!
Mas aquele domingo, 6 de Maio, era Dia da Mãe. Passada Santiago de Riba-Ul e a ponte medieval de Salgueiro, dirigimo-nos a S. João da Madeira. O Papa João Paulo II abençoou-nos o Caminho, à porta da respectiva Igreja Matriz ... e, sem saber explicar como nem porquê ... na Igreja Matriz de Arrifana, pouco depois ... como que senti a presença da minha Mãe. Será?...
No marco da Ponte Medieval de Santiago de Riba Ul, S. João da Madeira, 06.05.2018, 6h45
Igreja Matriz de S. João da Madeira
Igreja Matriz de Arrifana. Quem sou?
O que sou? Parabéns, Mãe
Albergue de Peregrinos da Confraria de Santiago, Paróquia de S. Salvador de Grijó, 06.05.2018, 13h50
Mosteiro de S. Salvador de Grijó ... ao vivo e num bonito painel de azulejos
No Albergue de Grijó ... éramos os únicos portugueses. Alguns dos que ali conhecemos voltaríamos a encontrar em diversas etapas, inclusive já em Santiago de Compostela. Despedimo-nos do Luís, voltámos à triade ... e na manhã seguinte percorremos uma curta etapa de 19 km. Antes das 10h estávamos na Serra do Pilar, a cruzar o Douro pela Ponte D. Luís I ... e a entrar na Cidade Invicta.

Calçada romana de Perosinho,
07.05.2018, 7h30
Porto e o Douro. Às 10h do dia 7.05.2018, com cerca de 230 km percorridos desde Fátima, entramos na Cidade Invicta
No Porto, a primeira paragem foi, naturalmente, na Catedral. Proliferavam os turistas, mas também os Peregrinos, seguramente muitos deles começando ali o seu Caminho. A Catedral do Porto é um dos ícones do Caminho Português de Santiago. Deixando as mochilas na Estação de S. Bento, passeámo-nos um pouco pelas ruas do centro da cidade ... e não podia faltar uma "francesinha", degustada em plena Avenida dos Aliados, no Restaurante-Pastelaria Aliança 😋

07.05.2018, 10h10 - Catedral do Porto, um marco obrigatório no Caminho Português de Santiago
Avenida dos Aliados, centro nevrálgico da Cidade Invicta
No Porto ... a francesinha é
obrigatória... 😋
Torre dos Clérigos
Albergue de Peregrinos do Porto, R. Barão de Forrester
Com a Mana Anabela no Porto ... o Caminho também é feito de encontros!
No Porto, estava ultrapassado 1/3 do Caminho. Do jantar com a Mana Anabela - Mana de tantas "aventuras", Mana dos primeiros dias do meu primeiro Caminho de Santiago - recolhemos cedo ao Albergue ... que no dia seguinte iríamos sair antes das seis da manhã...
(Escrito entre 24 e 28 de Maio de 2018, após o regresso do Caminho)
(Continua)         

Sem comentários: