segunda-feira, 12 de junho de 2017

Das terras de Narcea às terras de Somiedo (1)

Duas semanas depois de regressar do meu Caminho das Estrelas 2017 ... regressei às "minhas" terras de Somiedo. E regressei com um grupo de 23 amigos e amantes dos grandes espaços. Fruto de uma vontade surgida nas duas primeiras "edições" de Somiedo, em Junho de 2014 e Outubro de 2015, esta terceira versão nasceu de um sonho, quando da incursão ao paraíso de Muniellos, em Novembro de 2016. Nem todos são os mesmos ... mas quase todos os que embarcaram neste sonho estiveram em pelo menos uma dessas três "aventuras" ... e ajudaram a construí-lo.
Travessia Genestoso - Villar de Vildas - Pola de Somiedo
Pola de Somiedo, 12 de Junho
Centro "Laciana Natura", Villablino, 10.06.2017, 19h55
Sábado, 10 de Junho, Dia de Portugal. Às sete e meia da manhã estávamos a partir de Lisboa, rumo ao paraíso asturiano. Dois companheiros "embarcaram" em Coimbra e a viagem prosseguiu sem história até Villablino e ao "Laciana Natura", um centro de turismo activo centrado no belo vale de Laciana, ainda em terras leonesas. Domingo sim ... era o início da "aventura". E a "aventura" começava em Genestoso, pequena aldeia do concelho de Cangas de Narcea. Há muito que acalentava o sonho de entrar em Somiedo por Xinestosu; afinal este sonho tinha começado em Muniellos ... terras de Narcea.
Vallado, 11.06, 9h45
A não ser com apoio de terceiros, uma ligação das terras de Narcea às de Somiedo é complicada ... já que por estrada são mais de 70 km dali a Villar de Vildas. Esta deslocação, com autocarro de apoio, permitiu concretizar esse sonho ... depois de uma pequena "aventura". É que o acesso mais curto de Villablino a Genestoso é pela aldeias de La Chabola e Vallado. No cruzamento de La Chabola não existe qualquer indicação de que não seja possível a passagem a pesados; as informações anteriormente recolhidas também assim o confirmavam; mas ... quando os aldeões de Vallado viram surgir o autocarro entraram em pânico... 😕. E tirá-lo de lá não foi fácil...! Mas 35 km e duas horas depois ... estávamos em Genestoso.

Genestoso - Xinestosu - (1150m alt.), à partida para uma travessia das terras de Narcea às terras de Somiedo
Duas horas mais tarde do que o previsto ... estávamos a começar a primeira parte da travessia. Uma primeira parte em forte pendente, sob um nevoeiro que ora nos deixava ver a imponência que nos rodeava, ora apenas nos dava umas dezenas de metros de visibilidade.

Entre as nuvens e o Sol, íamos subindo até ao Refúgio da Braña de Los Corros (1642m alt.)
O Refúgio de Los Corros é um excelente abrigo de montanha ... a convidar a novas "aventuras" 😊! Uma breve pausa ... e continuámos a subir, saindo das nuvens para o espectacular Collado de Las Tres Lagunas. As lagunas têm pouca água, mas as panorâmicas para sul e sudeste são fabulosas.

Collado de Las Tres Lagunas (1726m alt.) e panorâmica para o vale de Orallo
Poucos minutos antes das duas da tarde estávamos no Colláu La Mochadina, a 1836 metros de altitude. De repente, era como se a montanha terminasse ali. À nossa frente, um imenso mar de nuvens, que escondia o Lago Bueno, o vale do Pigueña e, provavelmente, a Braña de La Pornacal. A nascente, o Pico Cogollo, que esconde o altaneiro Cogollo de Cebolléu, com os seus 2084 metros de altitude. Não fora o atraso matinal na aldeia de Vallado e teríamos tido a possibilidade de o subir. Assim, depois de um almoço naquele paraíso, prosseguimos para norte, rumo aos Collados de Carbazosa e Fanarrionda.

Colláu La Mochadina (1836m alt.) - As brumas
escondem o Lago Bueno e o vale do Pigueña
No Collado de Fanarrionda ... entrámos em Somiedo. Faltavam pouco mais de 5 km para Villar de Vildas, mas esta foi a parte mais complicada da jornada, já que por diversas vezes o trilho desaparecia na vegetação ... e no nevoeiro. A ramagem provocou aliás um incidente, felizmente sem consequências de maior, quando o "mano" Zé Manel foi atingido na vista por um galho. Sem consequências de maior ... mas que ainda obrigou a uma deslocação ao posto médico de La Riera e depois a Oviedo. E quem encontra no Hospital? O nosso amigo David Carricondo, hospitaleiro do mágico e místico Albergue de Bodenaya, onde nos alojámos na 2ª etapa do nosso Caminho Primitivo. Mistérios dos Caminhos de Santiago!

Descida de Tableiros para as Brañas de La Rebollada e de Vildéu ... por entre a magia dos bosques
Rendas naturais, num reino mágico e místico
Braña de Vildéu, quase em Villar de Vildas
Entretanto ... a todo o momento parecia-nos ver saltarem da ramagem xanasnuberus, fadas e duendes ... ou ursos, já que estávamos no território deles. Este troço é aliás de uso restringido, pelo que é necessária autorização do Parque Natural de Somiedo, de que éramos naturalmente portadores.
Eram seis e meia quando Villar de Vildas surgiu aos nossos pés, como que saída das nuvens. Para sul, o vale do Pigueña, já conhecido de quase metade do grupo. E às sete horas estávamos no nosso "abrigo" para esta noite de travessia: a já minha conhecida de longa data Casa "La Corte", do meu amigo Adriano e gerida pela dinâmica Mirta. E ainda por cima ... havia um aniversariante no grupo! 😊

Villar de Vildas e o vale do Pigueña
Casa "La Corte" ... em dia de aniversário... 😄
Em dia de aniversário e alojados numa aldeia rural asturiana ... o que poderia haver de melhor, ao jantar ... que una espicha asturiana?... Uma espicha é uma reunião festiva tradicional em que se bebe sidra. O objectivo inicial é abrir - ou "espichar" - uma barrica de sidra, onde o sumo de maçã fermentou durante dois ou três meses. Não há primeiro nem segundo prato; a comida é disposta directamente na mesa e inclui chouriços, presunto, queijos, ovos cozidos, pimentão, tortilha, panados, etc. ... tudo ao som de boa música tradicional asturiana ... tudo com muita animação ... excepto pelo incidente com o Zé Manel, que apenas regressou de Oviedo passava das duas e meia da manhã, felizmente tratado e medicado sem consequências de maior.

Villar de Vildas, 12.06.2017, 10h00 - Começava a 2ª etapa da travessia Genestoso - Pola de Somiedo
A segunda etapa desta travessia era mais simples que a primeira. O autocarro havia seguido directamente para Pola de Somiedo ... e nós tínhamos a serra de Perlunes para atravessar. O nevoeiro voltou a acompanhar-nos na subida, mas depois os céus abriram-se para o espectacular desfiladeiro de Perlunes. O "mano" Zé Manel optou contudo por não fazer esta segunda etapa, ainda com a vista dorida e tapada. Estaria à nossa espera no final, em Pola de Somiedo.

Subida do vale Ablano, entre Villar de Vildas e a Serra de Perlunes
Collado de Perlunes (1378m alt.)
Rendilhados mágicos
numa manhã mágica
Descida de La Ragua, Perlunes
O imponente desfiladeiro de Perlunes, no Rio Aguino
O almoço foi junto à Igreja de Perlunes. A partir daqui, sabia que o percurso era por estrada ... mas não era por isso menos imponente. Atravessar o desfiladeiro é descobrir novas imagens em cada recanto, novas cores, novas formas, até à aldeia de Aguino ... cujo patrono é Santiago. A igreja guarda um cálice envolto numa lenda, segundo a qual uma pastora o teria tirado a uma Xana numa noite de S. João, altura em que aquelas figuras mitológicas costumam sair com os seus tesouros do fundo das nascentes.

Perlunes, 13h15 ... horas de almoço
Quem me dera
ser grifo...
Desfiladeiro de Perlunes
Igreja de Santiago de Aguino
Vista de Aguino, da subida para o miradouro de Cerradiel
Pouco depois das três da tarde estávamos à vista de Pola de Somiedo. A panorâmica sobre o vale é fabulosa. E em Pola recebia-nos o meu "velho" amigo Herminio Cano, o seu Bar/Restaurante, a sua "Casa Miño", a envolvência e beleza da capital Somedana ... base para as caminhadas dos três dias seguintes.

Pola de Somiedo à vista, com os vales do Rio Somiedo e do Rio del Lago. Ao fundo, à esquerda, Peña Xana
Pola de Somiedo, 12.06.2017, 16h05 - Chegada à "Casa Miño" ... e final da travessia
(Escrito em 19 e 20.06.2017)

3 comentários:

CHEIRO DA MONTANHA disse...

Lugares Mágicos, belos...gostei de ver/recordar
Abraço
Raul Marques

Anónimo disse...

Obrigado Calixto por nos teres proporcionado momentos mágicos, paisagens de cortar a respiração, obrigado por nos guiares a um dos paraísos. A tua descrição é soberba, um abraço. Joãojfonseca

Artur Miguel disse...

Melhor que a descrição feita somente a presença e o contacto...... O meu eterno agradecimento por mais esta semana que ficará para ser na memoria das coisas boas e espectaculares
Artur Miguel