quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

Ao luar ... com a última Lua cheia do ano...

"Whos'o pulleth out this sword from this stone and anvil, is the true born King of all Britain"

Assim começava Rick Wakeman a sua adaptação dos "Myths And Legends Of King Arthur And The Knights Of The Round Table", de Thomas Malory ... e mais ou menos assim começava o desafio que uma certa "fada Morgana" lançou para ontem, a última Lua cheia do ano da graça de 2016:
"Olá Gente gira! Vamos ver a Lua a nascer? E caminhar sob o luar? O guia é o António Araújo - Sir Lancelot - que nos levará por Lagos, Penedos e Bosques encantados. Mais uma vez será uma caminhada sem uso de frontal ou lanterna e em silêncio (o possivel claro...J); a meio faremos um brinde e comemos algo; o resto logo se vê ... bom será de certeza ... J".
Estrada da Serra, 14.12.2016, 16h50
E claro que foi bom ... muito bom! Para além de Morgana e Sir Lancelot ... tivemos o próprio Rei Artur, o mago Merlin ... e seis garbosos Cavaleiros e Cavaleiras da Távola Redonda... J
E onde nos reunimos? Numa adoração à Lua ... o que poderia haver de melhor do que a Serra da Lua ... a mágica e mística Serra de Sintra? A "Távola Redonda" começou-se a reunir na estrada sul da serra, no acesso à Pedra Amarela ... o "altar" eleito para assistir ao pôr do Sol e ao nascer da Lua. E, perante uma previsão meteorológica negra ... o primeiro "milagre" deu-se às 17h18, hora a que o astro Rei mergulhou no mar. Não foi uma explosão de cores, mas mesmo assim um deleite para as mentes.

Subimos para
a Pedra Amarela
17h10 - Numa tarde cinzenta ... vai começar o mergulho do Sol ...
... que desce para as águas do Atlântico!
O nosso Sir Lancelot - o meu "mano Araújo...J - montou a mesa junto àquele "altar". A Távola não era redonda ... mas mais importante era celebrar aquele momento. Brindámos ao Sol, à Lua que havia de nascer ... a nós próprios, à Amizade, à Vida! E fomos abençoados ... pelo vento que se levantou e a alguma chuva que entretanto caiu; os víveres foram protegidos com uma manta térmica ... e o vinho desceu à "adega"; leia-se ... debaixo da mesa...J!

Há montanhas no céu...

Enquanto o Sol se põe ... prepara-se a
Távola Redonda ... apesar de ser rectangular...J
x
Entretanto fez-se noite, um presépio de luzes nasceu aos nossos pés ... e às 18h22 o disco lunar surgia, imponente e mágico, ao lado do Palácio da Pena, entretanto iluminado. A chuva parara e os céus limparam ... para nos deixar sentir a união estabelecida ... para nos deixar fazer pedidos...

18h15 - Aos nossos pés nasceu um presépio de luzes...
18h22 - E à direita do Palácio da Pena ... começa a nascer a Lua ...
Celebramos a Lua!
(Foto da direita: Paulo Teles)
A Lua iria iluminar o nosso caminho...
À luz do luar e sem chuva, voltámos a descer à estrada da serra, para nos dirigirmos à albufeira do Rio da Mula. E o que se seguiu foram os momentos mais altos desta "aventura": desde a barragem, subimos o chamado trilho das pontes ... completamente às escuras, sem qualquer frontal ... e completamente em silêncio. "Sir Lancelot" guiava o grupo por entre o denso arvoredo; só se viam por vezes os raios de luar, espreitando por entre a ramagem; só se ouviam os passos e o murmúrio das águas da ribeira. Espectacular! Uma autêntica aventura dos sentidos! Não nos admiraríamos se das formas fantasmagóricas que nos rodeavam surgissem duendes ... espíritos verdes ... ou Selene ... a deusa da Lua!

Trilho das Pontes ... a aventura dos sentidos!
Outro local que igualmente já visitei várias vezes de dia foi a Casa "dos Espíritos Verdes". À noite, na magia do luar ... mais do que nunca parecíamos transportados através de um portal para outra dimensão!

Um portal para outra dimensão - Casa dos Espíritos Verdes
E a Lua continua, radiante e limpa, iluminando a nossa noite
ACasa "dos Espíritos Verdes" ... para nós eram as ruínas do Castelo do Rei Artur...J. Faltava-nos "eleger" uma Guinevere ... e Viviane, a Lady of the Lake; o lago nós tínhamos ... a Lagoa Escura, ou Lagoa dos Mosqueiros ... que seria a nossa passagem para Camelot ... ups, para o Monte Rodel.

21h35 - Junto à Lagoa Escura, ou dos Mosqueiros
... talvez procurando a dama do lago...
O Monte Rodel não é propriamente fácil de escalar, particularmente o troço final de acesso ao cume. De noite e com tempo húmido ... menos fácil é. Mas imbuídos do espírito arturiano ... subimo-lo até ao cume! Localizados praticamente no centro da Serra de Sintra, com vista privilegiada sobre a vertente norte, aqueles dois aglomerados graníticos, em forma piramidal, parecem ali colocados por mãos superiores. E ... mãos superiores ditaram que os céus se revolvessem às quase dez e meia da noite: a chuva voltou, as panorâmicas esconderam-se ... mas a Lua fez a sua aparição por entre as nuvens, como que a dizer-nos ... estou aqui! Tínhamos pensado juntarmos de novo a Távola Redonda no cume ou próximo do Rodel ... mas Camelot entendeu guardar os seus segredos. Na descida, ainda houve um bastão que quase se fez passar pela espada Excalibur...J. E o Concílio decidiu ... que regressássemos à origem.

22h20 - No maciço granítico do Rodel ... debaixo de chuva. Os mistérios de Camelot permaneceriam no cume...
O regresso duraria ainda mais de uma hora e meia, pelos Capuchos e a leste do Monge, rumo à Pedra Amarela e à estrada da serra. Quase sempre sob chuva, por vezes forte, os ponteiros aproximavam-se já da meia noite quando chegámos às "carruagens" que havíamos deixado estacionadas. E, aí ... voltámos então a montar a Távola para uma merecida refeição que não tinha sido feita, face à inclemência dos elementos a partir da incursão a Camelot ... ou ao Rodel J.

Enfim ... jantávamos no ponto de partida! Faltavam cinco
Teríamos encontrado
para a meia noite, chovia ... mas estávamos felizes... J
Excalibur?...
Os mistérios de Sintra ... ou de Camelot ... fazem com que o Rei Artur, Sir Lancelot, a fada Morgana, o Mago Merlin
(que tirou a foto... ) e dois Cavaleiros ... permaneçam na Serra quase à 1h de uma madrugada fria e chuvosa...
E assim terminou esta viagem da imaginação, dos sentidos, da amizade, do companheirismo. Nos nossos mitos e lendas ... Selene soube ler os nossos pedidos e desejos! Obrigado Fada Morgana, pela ideia e convite! Parafraseando-te ... obrigado também a Sir Lancelot, que nos guiou magnificamente pelos trilhos da floresta encantada a caminho de Camelot; obrigado às Fadas da Floresta, Rei Artur, Cavaleiros, Merlin e Espíritos verdes ... e a ti, Lua, que estiveste quase sempre lá, cheia de força, a iluminar o nosso caminho. Sem dúvida que os deuses e os seres da floresta de Sintra que nos acompanharam ... anseiam pelo nosso regresso...
Ver o álbum completo

1 comentário:

Paulo Teles disse...

sempre 5 estrelas... vou roubar o nome dos montes... e das pedras... lol