sábado, 28 de dezembro de 2013

Por montes e vales da região saloia

No último sábado do ano, os "Novos Trilhos" levaram-me ao coração da região saloia, numa caminhada circular com início e fim junto ao vetusto Convento de Mafra e passando por pitorescas aldeias, como Igreja Nova, Cheleiros e Carvalhal, pelos montes e vales da Ribeira de Cheleiros e do Rio Lizandro.
28.12.2013 - Tínhamos começado uma bela caminhada por
montes e vales da região saloia
Cheleiros, Igreja Nova, Mafra ... esta zona saloia trazia-me recordações de infância, já que há 50 anos era por aqui a velha estrada que da Amadora, com meus pais e irmão, me levava à praia de Santa Cruz.
Com a Serra de Sintra ao fundo, por volta das dez horas parecia que vinha lá grande borrasca, mas o dia foi maioritariamente solarengo ... apenas com um pequeno "dilúvio" quase no final, quase a entrar de novo em Mafra.
O primeiro vale foi o da Ribeira da Mata, junto às aldeias de Mata Grande e Mata Pequena. Uma velha ponte da época romana parece perdida no meio das silvas que a ladeiam, mas à entrada de Mata Grande a bonita Fonte da Bica encontra-se bem recuperada, orgulhosa dos seus mais de 120 anos de história.
Descendo para o vale da Ribeira da Mata
"Perdida" nas silvas, a velha ponte de
época romana sobre a Ribeira da Mata
Fonte da Bica (de 1889), à entrada de Mata Grande
A aldeia de Mata Pequena tem a curiosidade de já ter sido uma aldeia abandonada mas que, actualmente ... pode ser alugada total ou parcialmente! A aldeia de Mata Pequena constitui um inovador projecto de turismo de habitação, exemplo possível para tantas outras aldeias por esse país fora.

Ao longo da Ribeira da Mata ...
... e da Ribeira de Cheleiros
O percurso ao longo da Ribeira da Mata, até Cheleiros, tem troços paradisíacos, de frondosa vegetação ribeirinha. Pena é que as águas não sejam mais límpidas. E Cheleiros oferece igualmente belas imagens, com a sua ponte velha, de construção possivelmente do período medieval, tendo sido realizada sobre uma antiga estrutura romana.

Cheleiros, à volta da sua Ribeira e das pontes, a velha e a nova
Cheleiros marcou o extremo sul desta jornada. Dali rumámos a noroeste, rumo à aldeia do Carvalhal, deixando na colina oposta a aldeia fantasma de Broas. E mais uma vez o curso do rio, agora do Lizandro, antes e depois do Carvalhal, empresta à paisagem imagens a que apenas falta o azul das águas.

Um belo campo de azedas, quase à entrada da aldeia do Carvalhal
O Lizandro na aldeia do Carvalhal
Do Carvalhal subimos ao Alto do Timóteo, de onde já se avistavam os torreões de Mafra. Cruzada a A21 ... o já referido "dilúvio" obrigou-nos a abrigar num providencial lavadouro público ... mas foi de curta duração e Mafra recebeu-nos antes das três da tarde. Tínhamos percorrido cerca de 22 km em sensivelmente 5 horas e 15 minutos de andamento ... pelos montes e vales da região saloia. Previsivelmente a última caminhada do ano de 2013...

Mafra, com destaque para a velha Igreja de S. André. Mas ... vinha lá borrasca...
... que se concretizou!
Valeu-nos um tradicional lavadouro público.
Na recta final...
E antes das três da tarde estávamos de novo em Mafra
Ver álbum completo

1 comentário:

António Castanheira disse...

Parabéns pelo espetacular percurso que fizeram!
Excelentes fotografias!

Um abraço,
António