quarta-feira, 4 de setembro de 2013

Da Várzea de Loures à Costa Oeste - 62 km

Depois das "assombrações" em Sintra, o mês de Agosto não teve mais "aventuras" ... a não ser a aventura de passar 24 horas por dia, em Vale de Espinho, com 3 neto(a)s entre os 3 e os 5 anos... J.
A sede de caminhar já era portanto muita; ora, dizendo o bilhete de identidade e o calendário que o autor destas linhas ganhou há uma semana o estatuto de sexagenário, porque não correlacionar dois números? - 60 anos ... 60 km... J!
Em 27 de Abril de 2012 já tinha testado os meus limites, ao ligar a solo a Malcata à Gardunha. Onde bater esse record e perfazer os "redondos" 60km? Bem ... uma hipótese era ir a pé de casa àquela que, durante a minha meninice e adolescência, foi ... a "minha" praia: Santa Cruz.
Estudadas as cartas e feita uma "prospecção" à frente do meu velho OziExplorer, lancei o desafio a alguns companheiros destas lides das grandes jornadas pedestres. Com grande pena minha, nenhum dos que viveram comigo a aventura do Monte Perdido Extrem estava disponível ... mas três já "velhos" companheiros de várias GRDs responderam ao repto... J!
E assim ... às seis da manhã estávamos a partir da Bobadela em direcção ao vale do Trancão e à várzea de Loures. É o troço inicial dos caminhos de Fátima ... ou de Santiago! O dia começou a clarear pouco antes das ruínas da velha Quinta do Monteiro Mor, com as primeiras cores do nascer do Sol para os lados da Granja. Passado o Tojal, seguiu-se a subida da margem direita do Trancão, com a aldeia do Zambujal do outro lado. Fanhões era a primeira “etapa” … e com 12,5 km percorridos em menos de duas horas e meia … estávamos satisfeitos com a média... J!

4.09.2013, 6,25h - A "aventura" começou bem de noite...
Ao fundo o Pico da Aguieira
Ruínas de velhas quintas, na encosta fronteira à aldeia do Zambujal (Foto: José Baleiras)
Uma travessia desta dimensão tinha forçosamente de incluir troços de alcatrão, no entanto procurámos reduzi-los ao mínimo e, a maioria dos que houve, em estradas e caminhos secundários. De Fanhões para Ribas de Baixo (para a qual curiosamente se sobe...) percorremos a Serra do Picoto, passando precisamente entre os fortes do Picoto e de Ribas. E em Ribas de Baixo fizemos a primeira curta paragem, para o café matinal. O Cabeço de Montachique ia ficando a sudoeste, à medida que nos aproximávamos da Póvoa da Galega, com a linha de chaminés do complexo vulcânico de Lisboa no horizonte.

Ao fundo o Cabeço de Montachique
Póvoa da Galega e as chaminés do complexo vulcânico de Lisboa
Entre Roussada e Jeromelo cruzámos a linha do Oeste, descendo depois para a Ribeira de Pedrulhos. E à metade do caminho, com 30 km percorridos, 5 minutos depois do meio dia resolvemos parar em Vila Franca do Rosário, para o necessário reforço alimentar.

Linha do Oeste, próximo de Roussada
Aldeia de Jeromelo
Com a Tapada de Mafra à nossa esquerda, próximo do Gradil voltámos a passar por duas vezes a Ribeira de Pedrulhos, para depois rumarmos a norte, para o LivramentoAsseiceira e Poços, próximo de Freiria.

Ao fundo a Serra do Socorro
Paisagens rurais, entre Aboboreira e Freiria
Um dos troços mais bonitos da caminhada foi a vertente da Serra de Sarreira para a Moucharia, já com a linha de costa a perceber-se no horizonte ... e com a brisa do mar a começar a refrescar um pouco uma tarde quente. Uma breve paragem na Carregueira permitiu-nos breves momentos de conversa com 4 senhoras que descansavam à porta do café ... espantadas quando lhes dissemos de onde vínhamos e para onde íamos... J! Um pequeno reforço hídrico e alimentar ... e os pobres pés um pouco ao ar... J!

Cumeada da Serra de Sarreira, descendo para a Moucharia
Passadas as imediações de S. Pedro da Cadeira, chegámos ao Sizandro, onde ainda há pouco mais de um mês tinha chegado vindo de Torres Vedras. Tal como naquele dia, dali à Foz acompanhámos os meandros do rio, chegando ao Atlântico vinte minutos depois das seis da tarde, com o espectáculo do pôr-do-Sol no mar a iniciar-se ... e com 55 km nos pés! Pessoalmente, tinha batido pouco antes o meu anterior "record" de distância num dia, os 54 km da Malcata à Gardunha.

Praia da Foz do Sizandro,
18:20h ... com 55 km já percorridos
A travessia da Praia Azul, para o autor destas linhas ... foi a parte mais penosa da caminhada. A progressão na areia, mesmo junto ao mar, não é propriamente o meu forte...; mas a dificuldade era compensada pelo espectáculo do mar e do gradual recolher do astro rei!

Travessia da Praia Azul, ante o imponente espectáculo do pôr-do-Sol no mar
E ... estávamos quase a atingir o objectivo! Na subida ao Alto da Vela e descida para Santa Cruz, íamos fazendo conjecturas sobre onde os nossos GPSs iriam marcar os "históricos" 60km...! Santa Helena, a padroeira de Santa Cruz, abençoou o pouco que faltava ... e agradecemos-lhe o muito que já tínhamos palmilhado!

A Praia Azul fica para trás ...
... e surge Santa Cruz, do Alto da Vela
Obrigado Santa Helena, padroeira de Santa Cruz
Os 60km aconteceram exactamente em Santa Cruz, na "minha" velha praia, pouco depois da Torre que é um ícone da pérola do Oeste, ante um espectacular pôr-do-Sol. Sem dúvida ... um momento "mágico"!

Santa Cruz: Praia Formosa
Que melhor prenda poderíamos ter, no final desta longa jornada?...
Os 4 "heróis" no momento dos 60 km!
Estava cumprida a "promessa": 60 anos ... 60 km!
E como todos os momentos mágicos têm um epílogo ... o epílogo foram mais dois quilómetros suplementares, até ao extremo norte de Santa Cruz ... onde em casa do irmão e cunhada deste carola do pedestrianismo eles e os pais de ambos esperavam os quatro "aventureiros que, 14 horas antes, tinham saído da Bobadela. A missão estava cumprida!
Os números desta "aventura":
Distância percorrida: 61,85 km
Tempo total: 14 horas / Tempo de paragens: 1h 25m / Média de marcha: 4,92 km/h
Desnível acumulado: de subida - 1086m / de descida - 1102m


Aqui fica o meu agradecimento aos meus três companheiros desta simbólica travessia. Obrigado amigos ... e será que de aqui a 10 anos fazemos 70 quilómetros?... J

2 comentários:

raul branco fotografia disse...

Parabéns Callixto pelos nºs redondos. Espero que essa condição física ainda perdure por muitos anos!Um abraço.
Raul

ZéBaleiras disse...

Espero fazer os 70 antes de 10 anos...mas para esses,se depender de mim, podes contar comigo :)