terça-feira, 7 de agosto de 2012

Douro internacional e calçada de Alpajares ...
no "intervalo" do Intercéltico de Sendim

Depois de 4 dias em terras de Sanábria, descritos no último post, a actividade de verão dos Caminheiros Gaspar Correia terminou em terras de Miranda. Dois objectivos principais: o Parque Natural do Douro Internacional - incluindo o respectivo Cruzeiro Ambiental e a fabulosa Calçada de Alpajares - e a participação nas primeiras duas noites  do  mágico e  histórico  Festival  Intercéltico  de
3.08.2012 - Miranda do Douro: cais de embarque
Sendim, este ano na sua XIIIª edição.
Ainda na sexta feira, 3 de Agosto, entrámos em Portugal pela fronteira de Constantim. Às cinco da tarde, estávamos a partir para o Cruzeiro pelas arribas do Douro, exactamente 9 anos depois de o ter feito pela primeira vez, no dia 3 de Agosto de 2003. Tal como então escrevi, aquele troço internacional do Douro é espectacular, permitindo apreciar as soberbas paredes rochosas a pique sobre o rio e a vida da avifauna típica daquelas abruptas falésias. Depois, Sendim ... de onde regressámos às duas da manhã!

A bordo do cruzeiro ambiental no Douro
Casal de águias de Bonelli nas arribas
Navegando no Douro internacional
Após um merecido descanso, sábado ia mostrar à minha "família" caminheira a fabulosa Calçada de Alpajares, que conheci em Maio de 2008. Próximo de Freixo de Espada-à- Cinta, entre Poiares e a foz da Ribeira do Mosteiro, diz a lenda que nos tempos antigos tudo por ali eram barrancos e precipícios medonhos. Um cavaleiro vindo dos lados de Barca d'Alva, em noite de tempestade, chegou à margem da ribeira; dada a necessidade de atravessar o bravo curso de água, pois tinha a sua amada à espera, suspirou aflito: "valha-me Deus ou o Diabo". Foi Satanás que apareceu ao chamamento e disse:
Campos de Poiares, Freixo de Espada-à-Cinta, 4.08.2012
"Se me deres a tua alma, antes que o galo preto cante, te darei uma ponte e uma estrada para que possas seguir a tua cavalgada sem perigo". O cavaleiro aceitou e o infernal pedreiro e seus acólitos atarefaram-se na arrojada construção de uma calçada entre os fraguedos, ao som de estridentes cantares de bruxas que se reuniram no terreiro, para festejar a conquista de mais uma alma. Mas eis que canta o galo três vezes, quando apenas faltava colocar as duas últimas pedras da ponte. O cavaleiro, liberto do seu compromisso, prosseguiu a sua viagem e o Diabo, enraivecido, desapareceu com os seus acólitos através de uma bocarra que se abriu entre os penhascos!...

Barca d'Alva e o Douro, ao fundo
Aspectos das gargantas de Alpajares
Procurando um pouco menos de calor, só começámos a caminhada já depois das seis da tarde. Completámos os seus 8 km sem sobressaltos nem imprevistos demoníacos ... mas apreciando sobejamente as gargantas e penhascos que a caracterizam, levando as agora escassas águas da Ribeira do Mosteiro até ao Douro.

Calçada de Alpajares
Belos tons de um dia a declinar
O Douro, junto à foz da Ribeira do Mosteiro
E o Sol recolheu-se misterioso...
Seguiu-se a segunda noite mágica em Sendim ... até às três da manhã! E o dia seguinte, domingo ... era o regresso a casa, depois de uma semana intensamente vivida. Natureza, música, amizade, partilha ... que mais se pode desejar?...
Os "Realejo", 13º Festival Intercéltico de Sendim, 4.08.2012

2 comentários:

BERTO disse...

Olá José Carlos;
É sempre um prazer passar pelo teu blog e deliciar-me com as belíssimas imagens captadas nas tuas caminhadas. Desde já os meus parabéns!
Faço parte, com alguns amigos, de um grupo de pedestrianistas, o ‘Trilhos a Norte’, e convido-te também a visitar o nosso blog:

http://trilhosanorte.blogspot.pt/

Quem sabe se um dia destes nos cruzamos por uma dessas montanhas que tanto gostamos!?
Saudações caminheiras desde a Póvoa de Lanhoso!

Alberto Pereira.

José Carlos Callixto disse...

Boa noite Berto!
Obrigado pelo comentário. Já fui ver o blog do "Trilhos a Norte" ... e já o associei às minhas preferências :-)
Pode ser realmente que um dia nos cruzemos nas montanhas, quem sabe!? Tenho conhecido assim vários amantes do Gerês e não só. Aliás ... estou de partida, amanhã de manhã, para novas "aventuras"...!
Saudações caminheiras e montanheiras!
José Carlos Callixto