quarta-feira, 3 de agosto de 2011

Regresso ao Trilho da Cumeada e vale das Sombras

Penúltimo dia da actividade de verão com os Caminheiros. Amanhã regressamos a Lisboa ... depois de hoje ter levado parte do grupo a conhecer dois dos mais fabulosos percursos que já fiz em terras do Gerês  /  Xurés  luso-galaico:  o  Trilho da Cumeada  (que  percorri  em  Maio  passado)  e  o  vale das
3.08.2011, 7:15h - Fronteira da Portela do Homem
Sombras (trilhado em Outubro de 2010).
Pela hora portuguesa, pouco passava das sete da manhã já estávamos na Portela do Homem, prontos para iniciar a "grande aventura". O dia estava magnífico. À medida que subíamos, o Pé de Cabril ia-se impondo, bem como o vale do Alto Homem, magnífico. Alguns dos caminheiros que me acompanharam tinham-no descido em Junho de 2010, pelo velho estradão mineiro ... que baptizaram de "quebra-molas". Desta vez estávamos na Encosta do Sol, saboreando as mesmas espectaculares panorâmicas que eu saboreei em Maio e seguindo o mesmo percurso que então segui.

Vale do Alto Homem, do Trilho da Cumeada
Com a albufeira de Vilarinho das Furnas ao fundo
O local onde acampei, em Maio, foi ponto de passagem obrigatório. As enigmáticas formas graníticas que me protegeram naquela noite passada a solo, na imensidão serrana, lá estavam a enquadrar a albufeira de Vilarinho das Furnas, ao fundo. E ali nos entregámos também à serra...

Albufeira de Vilarinho das Furnas ao fundo, por entre as formas graníticas onde acampei em Maio
(comparar com as fotos dessa "aventura" em autonomia)
Encosta do Sol acima, a manhã foi correndo ao sabor da "aventura". As sensações de êxtase surgiam em cada nova perspectiva, em cada nova panorâmica, ora para o vale do Homem, ora para a vertente galega. Por volta do meio dia e meia hora, detivemo-nos para almoçar e retemperar forças, à vista do Outeiro da Meda e do Pico do Sobreiro. Uma vaca solitária ensinou-nos um trilho um pouco mais curto do que aquele que eu segui em Maio. Acima dos 1400 metros de altitude, o nosso rumo era a Amoreira, com o Sobreiro e o Pico dos Carris a guiar-nos.

A minha valente "cabrita montesa" admira o vale do Alto Homem!
As sensações de êxtase surgiam em cada nova perspectiva...
... enquanto seguíamos pela Cumeada da Encosta do Sol
Vale do Alto Homem
12:30h - À vista do Outeiro da Meda, com o Sobreiro ao fundo
E quase quase na Amoreira...
A ida até aos Carris esteve sempre na mente, como hipótese ... mas algumas pernas e algumas "máquinas" pediam já a descida. Às duas da tarde estávamos assim na Amoreira, prontos para iniciar a descida para o fabuloso vale das Sombras. As cores do Outono, que me encantaram em Outubro do ano passado, não eram agora as mesmas, mas aquele vale abrupto, descendo das alturas para Vilameá, continuava imponente. E as Minas das Sombras lá continuavam, perdidas no tempo e contando histórias perdidas nas memórias.

14:00h, 1360m alt. - Amoreira: regressámos à Galiza e começa a panorâmica sobre o fabuloso vale das Sombras
Descendo o vale das Sombras
Ruínas das Minas das Sombras
Ruínas das Minas das Sombras ...
... e de onde viemos
No estradão mineiro das Minas das Sombras, descendo o vale
Abaixo já das Minas das Sombras, acompanhámos o curso do rio de Vilameá, tal como no ano passado, admirando a sucessão de lagoas e quedas de água que o caracterizam. Junto à Ponte de Porta Paredes ... as águas refrescaram-nos o corpo e a sede!

Rio de
Vilameá
Descemos e descemos...
... a partir destas paisagens assombrosas
Piscinas naturais
no rio de Vilameá
Cascatas no rio de Vilameá
Ponte de
Porta Paredes
E continuamos a descer, agora à esquerda do rio de Vilameá
E às seis da tarde, com quase 21 km percorridos desde a Portela do Homem, estávamos a entrar em Vilameá, terminando esta fabulosa caminhada. O autocarro esperava-nos para um curto transbordo para Lobios ... e para amanhã regressarmos a Lisboa, no fim desta actividade de verão de 2011!

3.08.2011, 18:00h - Vilameá ... no fim de mais uma "aventura" caminheira

Sem comentários: